quinta-feira, 19 de abril de 2007

Capítulo III

Perdida num turbilhão de pensamentos, Marta não dá pela presença sorrateira da sua colega Verónica, que traz um dos telemóveis do escritório na mão.
“Toma” diz a colega com ar de desconfiada e a espreitar para o jornal pousado em cima da secretária de Marta. “É o chefe, está no Aeroporto e quer falar contigo antes de embarcar no voo”.
Bernardo Teixeira é o Presidente da Direcção da Associação Nacional de Direito ao Crédito (ANDC), que implementou o sistema de Microcrédito no nosso país. Marta orgulhava-se de estar na equipa que fundou em 1998 esta associação e, desde então, sentia um crescente sentimento de satisfação por ajudar a realizar os sonhos e os projectos de algumas pessoas. Os seus sonhos, no entanto, estavam por realizar.
“Estou?” anuncia Marta com uma voz trémula, ainda não completamente alienada da frase que acabara de ler no jornal e na curiosidade que a mesma lhe tinha despertado.
“Marta, tem o telemóvel desligado!” sentencia o chefe, com uma voz forte, sinal de controlo. É ele quem manda.
“Desculpe Bernardo, o meu telemóvel ficou sem bateria e está a carregar”, Marta tinha alguma confiança com o chefe. Foram ambos colegas de universidade, embora existisse uma diferença de treze anos de idade entre ambos. Ficaram amigos desde então, embora a sua relação no escritório fosse estrita e meramente profissional. Bernardo fazia questão que assim fosse.
Fechou os olhos para tentar esquecer por momentos a frase que ecoava na sua cabeça. Tentou concentrar-se no telefonema.
“Marta, ontem à noite deixei na gaveta da minha secretária um envelope fechado. Vai passar aí no escritório uma pessoa, um homem, antes da hora de almoço, para o ir buscar.” Fez um compasso de espera. Ao fundo ouvia-se o ruído característico dos aeroportos. “Faça-me o favor de lho entregar.”
“Sim, Bernardo”. Marta sabia que apenas ela podia entrar no gabinete do Presidente quando ele estava ausente. Bernardo havia-lhe confiado as chaves de todas as gavetas da secretária e armários para quando fosse necessário. Hoje iria ser necessário.
“Só mais uma coisa Marta” disse, baixando o tom de voz e falando de uma forma não tão forte e decidida. “Este homem de que lhe falei chama-se Pedro e para além de ir buscar esse envelope vai entregar-lhe um dossier confidencial.” Marta escutou com atenção, mas ficou intrigada.
Fez-se uma pausa na qual o turbilhão de ideias voltou para a inquietar ainda mais.
“Percebeu?” A voz forte e decidida estava de volta.
“Certo Bernardo, faça uma boa viagem”.
Carregou no botão vermelho do telemóvel e suspirou. Olhou para o quadro que estava exposto na parede em frente à recepção. Era um retrato do Professor Muhammad Yunus, Prémio Nobel da Paz deste ano. O orgulho e a motivação da Associação para a qual trabalhava. Bernardo Teixeira e todos os outros presidentes e directores de associações e empresas ligadas ao Microcrédito em todo mundo estavam a caminho do Bangladesh, para o encontro anual na sede do Grameen Bank, em Dhaka, capital do país.
Decidiu ir tomar um café para despertar.
Ligou a máquina e viu o líquido escuro a cair na sua chávena. De repente lembrou-se que iria ter uma reunião importante às 14.00 horas com um pequeno grupo de amigos no desemprego que tinham decidido criar uma empresa de transporte de crianças em Setúbal.
Vinham expressamente da cidade sadina entregar uma série de documentos necessários ao pedido de empréstimo para a implementação do seu projecto. Marta era a coordenadora do processo.
Sentou-se, fechou o jornal e por momentos esqueceu-se da sua procura do amor entre os dois locutores de rádio.
A manhã foi passada entre papéis, telefonemas e e-mails. Por vezes, Mário, o brincalhão mas aplicado Tesoureiro, metia-se com ela. Mas Marta estava demasiadamente absorta no seu trabalho. Respondia aos piropos do colega com um sorriso, mas não mais do que isso.
Olhou para o relógio e verificou que já passava das treze horas. Todos os colegas, com excepção de Verónica, que continuava ao telefone há mais de uma hora, tinham ido almoçar.
Marta esperava pelo tal homem a quem tinha de entregar o envelope fechado a pedido do chefe. Estava curiosa relativamente ao “dossier confidencial” a que Bernardo tinha feito referência no telefonema do aeroporto de Lisboa.
“O que será?” Disse para si mesma.
Levantou-se para ir pela enésima vez ao WC que ficava ao fundo do escritório, mas a meio caminho foi interrompida pelo toque da campainha da porta. “Deve ser o tal Pedro” pensou e foi abrir a porta.
À sua frente surgiu um homem alto. Cabelo castanho claro e uns profundos olhos verdes que depressa cativaram a atenção de Marta. Aparentava ter cerca de trinta e cinco anos. Não muito mais do que isso.
“Olá, boa tarde. Chamo-me Pedro Madureira e venho ter com a Dra. Marta Vieira”. Disse num tom jovial e com um leve sorriso nos lábios, visivelmente impressionado pela beleza da mulher a quem se estava a dirigir.
“Sou eu. Vem buscar o envelope do Dr. Bernardo Teixeira?” Marta quase que gaguejou, mas conseguiu responder sem se atrapalhar em demasia.
Pedro continuava a pousar aqueles profundos olhos verdes em Marta, sem conseguir desviar o olhar dela.
“Venho, sim” disse num tom suave. “Mas venho também falar consigo. Já almoçou?”. Aquela pergunta, sendo obviamente um convite para almoço feito de uma forma indirecta, apanhou Marta desprevenida.
Levou a mão ao cabelo e, desta vez, não evitou o gaguejar.
“Huh… sim, quer dizer… não. Tenho estado aqui à sua espera.”
“Peço desculpa nesse caso.” Disse, algo embaraçado. “Aceita o meu convite para almoçar comigo para podermos falar mais à vontade?”
Desta vez, o convite era directo. Como recusar um convite destes, vindo de um estranho, sem deixar de ser simpática?
“Huh… era suposto o Sr. Pedro trazer um dossier para o Dr. Bernardo Teixeira não era?”
“Bem, na verdade o conteúdo do dossier é motivo pelo qual eu pretendo falar consigo. É do seu interesse”.
Desta vez Marta, não sabia o que pensar. Mas afinal o que poderia ela ter a ver com aquele dossier? Ainda por cima, “confidencial”, como havia dito Bernardo ao telefone.
“Desculpe, não estou a perceber” disse, esquecendo por momentos o encanto dos olhos de Pedro. “Afinal o dossier não é para o Dr. Bernardo? Ele está a caminho de Dhaka para…”
“Não, Dra. Marta!” interrompeu Pedro de rompante. Parecia saber o que estava a dizer. “A viagem desta manhã do Bernardo tem outro destino”
“Mas, qual destino?” Perguntou Marta algo perturbada com a afirmação daquele desconhecido. “Como sabe o senhor isso?”.
“O Bernardo apanhou um voo para Barcelona. E não foi para tratar de assuntos da Associação, garanto-lhe”. Pedro concede alguns instantes a Marta para que esta se recomponha. “Está a ouvir, Dra. Marta?”
Em oito anos de presidência da Associação, Bernardo nunca tinha faltado ao encontro anual com o Professor Muhammad Yunus.
“Estou, mas… eu tenho uma reunião daqui a quarenta e cinco minutos...”
“Venha comigo, por favor. Não receie nada. Pode confiar em mim.” Falou num tom seguro, mas suave. “O Bernardo está a par de tudo.” Pousou a mão forte no ombro de Marta que estava com a boca aberta sem saber o que dizer.
Por fim perguntou “Gosta de Bacalhau com natas?”

44 comentários:

Miss Alcor disse...

Hum... que curiosidade! Até me estou a roer toda!
Gostei muito Paulo, muito mesmo! Ainda por cima, já temos nome, e olhos verdes...! ;)

Corduroy disse...

Muito bem Paulo... Espero ansiosamente por uma "resposta" ao teu excelente cápitulo III.

Paulo disse...

Obrigado Alcor e Corduroy :D

Touro Zentado disse...

Heehehehehehe!
Grande Paulo!

Tinha pensado que o nosso personagem masculino podia ter uma parte sinistra desconhecida... E que interpretava as palavras da rádio de uma forma completamente diferente... Mas gostei! Gostei Muito!
Estamos muito bem!

Canochinha disse...

Paulo, parabéns! Está muito giro mesmo.
Estou a adorar a vossa história:)

Touro Zentado disse...

Saí da aula a correr pra ver como está a andar isto. Agora vou para outra mas daqui a hora e meia volto...
Estou a ficar pouco menos que viciado...

Maria Ostra disse...

Está a ir muito bem! Que proliferos! :)
Mais! Queremos mais!

Miss Alcor disse...

ihihihih! Haja imaginação! Eu estou a adorar!
Uma conspiração à portuguesa... já estavamos a precisar!
A fasquia está a ficar cada vez mais alta! Muito bem! ;)

Maria Strüder disse...

Começo a sentir uma pressão enorme lol não sei se vou conseguir estar à vossa altura o meu género de escrita é muito diferente e vocês são bons.
Bom, talvez me candidate a ser a próxima a postar mas logo digo se sim ou não ok?

Corduroy disse...

Eu estou a tentar... mas tb tou a milhas da capacidade imaginativa e criativa dos 3 escritores que inciaram esta "aventura". Já tenho algo para o 4to capitulo mas falta-me finaliza-lo...

nathaliapessoa disse...

Eu tinha dito que fazia o 4º cap, mas não quero ser responsável por desfazer este nó! :o) Fica para um próximo...

Corduroy disse...

Não...não!!! Força...Eu espero Nathalia! Eu é que não tinha reparado. Sorry.

nathaliapessoa disse...

Eu não me importo de esperar mais... :o) E de certeza que vais fazer um bom trabalho, Corduroy!

Corduroy disse...

Lol.. tu tens ar de quem tem o dom da escrita :), por isso faça favor de editar o capitulo 4. Eu acho que o capitulo 5 é o ideal para mim...hehe. Força Nathalia.

Miss Alcor disse...

Eheheheheh!
A isto se chama "descalçar a bota", eheheheh!
Como eu vos compreendo! Eu também não gostaria muito de escrever agora...
Força aí!

Corduroy disse...

Eu estou msm a "descalçar a bota"... hehe. Realmente vou ter k esperar por "ventos mais favoravéis"!!!

Nelson Favas disse...

:)

astuto disse...

Muito bem, Paulo! Bom capítulo! A fasquia, volto a repetir, está cada vez mais elevada. Parabéns ao "escritores" que já postaram e boa sorte ao próximo. A minha hora há-de chegar...

Quantos dias de intervalo ficam entre capítulos?

Cumprimentos a todos.

Miss Alcor disse...

Eheheheh! Boa Corduroy! Eheh

Astuto, acho que aqui é mesmo "conforme a vontade do freguês"... quando houver imaginação, há texto! (pelo menos penso assim! Mas por mim, quanto mais rápido melhor... mal posso esperar pela continuação!)

Paulo disse...

Obrigado a todos os que leram e gostaram do meu capítulo.

Pessoal que está "aflito" em relação ao capítulo seguinte: vejam isto como um desafio apenas e não fiquem com medo de partilhar a vossa imaginação. Cada um escreve de maneira diferente e tem ideias distintas. Isso é que irá fazer a riqueza desta história.
Não tenham problemas de desiludir os outros. Ninguém aqui vai julgar o quer que seja.
Lembrem-se que isto é apenas uma brincadeira. Apenas e só!
Em relação ao tempo de postagem, acho que isso dependerá da inspiração do autor do capítulo. Não há necessidade de impor timings...
E vá... puxem por essa imaginação!Ideias não vão faltar ;)
Força Contadores!!!

nathaliapessoa disse...

Aqui vou eu, então... :o)
Amanhã já trago o 4º cap!

Miss Alcor disse...

Iupi! Haja rapidez! Obrigada Nathalia! ;)

Bom discurso Paulo! Altamente inspirador! ;)

Maria Strüder disse...

ups também não tinha reparado desculpa Natália

Pratas disse...

Marta :) Gostei do nome da personagem. Boa escolha.

Como é que isto está organizado em termos de capítulos? Podia ser criada uma regra qualquer digo eu.

Quem fará o próximo?

Laudinha disse...

:D Muito bem... continua muito bem... Parabéns Paulo.... a ver o que a Natalia nos vai contar ;)

A ver se depois ganho coragem para me candidatar a um capitulo :p

Touro Zentado disse...

O próximo capítulo é escrito por quem achar que está na hora...
A Nathalia voluntariou-se para escrever o quarto...
Se quiseres podes candidatar-te para o quinto ou então esperas para ver o que vai sair...

Não se esqueçam de divulgar o blog!!!

Maria Strüder disse...

Quando é que posso escrever?
Posso escrever depois do Corduroy?
É o próximo né?
O nosso conto está a ficar um máximo:p

Touro Zentado disse...

Pelos vistos o quinto e o sexto já estão atribuídos...

Quinto - Corduroy
Sexto Maria "A Imperadora" Strüder

Eduardo Ramos disse...

ai ai ai!!!
Estou com formigueiro nos dedos!
... tinha uma ideia e este Paulo acabou com a palhaçada acabou por me empurrar ainda mais para ela!!
Nem vou pegar nisto senão lixo tudo!
Vai... nathalia! Vai nathalia!

Grande Paulo!...
Um gajo ficou com vontade de saltar páginas para ver o que vêm a seguir!
Vou deixar correr a tinta e ficou-me pelo 7º!
O número "mágico"! ( só espero não me enroscar! )

Tenho a impressão que isto ainda vai dar uma novela na TVI! hehehehe

Miss Alcor disse...

Eduardo, novela da TVI???? Credo! Longe disso! Quem dera as novelas terem esta qualidade! ;)

Sustenido disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Corduroy disse...

Eu fico com o quinto, mas se alguém tiver ideias para ele faça favor de postar, é que eu ao fds não estou pela net, logo só a partir de segunda é k começo a pensar no capitulo. Mas até lá o quinto pode ser meu...

Eduardo: tou curioso para ver o k tens para nos "dar"...

Phantom disse...

Éna, éna, a história tem novos desenlaces...Gostei, muito bem paulo, bom trabalho. :o)

Pratas disse...

OK. Candidato-me para o sexto ou sétimo capítulo. :)

Bernardo Moura disse...

Estou a adorar!
Excelente!
Abraços

Touro Zentado disse...

Caros escritores... Se bem entendi o plano é:

Nathalia - Quarto
Corduroy - Quinto
Maria Strüder - Sexto
Edu Ramos - Sétimo
Pratas - Oitavo

Certo?

Maria Strüder disse...

Sim sim sim certíssimo temos que começar a ser mais organizados acho que ainda existe confusao não sei.

Jaleco disse...

Chiça q vocês vão avançados!! :D
Tenho q me por à coca, mas já tenho material c/ q trabalhar!! Tou a gostar... :)

Juanito disse...

Gostava de escrever um capítulo, mas este esquema, tal como está, é demasiado caótico! Tinha algumas ideias para o que se segue, mas com 4 ou 5 autores já inscritos, nada garante que não me cortem as vazas, pelo andar da história...

De qualquer forma, parabéns pela ideia, que é fantástica. Antes isto que andarmos para aí a roubar.

J

Miss Alcor disse...

Honestamente acho que não estamos nada desorganizados!
Tendo em conta que combinamos as coisas deixando "recados" nos comentários dos posts uns dos outros, acho que isto não podia estar a correr melhor!
Portanto, haja boa vontade, e tudo se faz!

Corduroy disse...

Realmente acho que quem tivesse ideias seguras para a continuação devia ser ele a postar. Juanito, eu não volto á internet nos proximos dias logo se kizeres ficar com o 5to capitulo estas á vontade. Eu espero por uma outra oportunidade.

Lua disse...

Paulo tenho que te dar os meus parabéns! Está mto bem descrito, consegui visualizar todas as cenas que descrevias! Adorei!

Ahhh o Bacalhau com Natas foi fantástico:))

continuem que estou mesmo a adorar

Pratas disse...

sim :)

tonsdeazul disse...

Excelente, excelente mesmo. Não me vou demorar muito em conversas e análises aqui, pois estou ansiosa para subir mais um pouco!!! ehehe
Isto está a ficar empolgante por demais!!